Acabo de falar com um familiar meu que frequenta o 10º ano de escolaridade de um curso de Economia. Como é costume nesta época, há que nos começar a preocupar em relação à questão da calculadora gráfica. Perguntei-lhe “Então? O Professor já te indicou qual o modelo a adquirir de calculadora para a escola?” e ele muito naturalmente diz-me “O Professor diz para fazermos contas de cabeça e que não precisamos de calculadora.” Não verbalizei nada a seguir a isto. Acho que não vale a pena colocar o Professor em questão em causa e muito menos em frente a um dos seus alunos. Mas isto deixa um certo dissabor na “boca”.

Qual é a área ligada às ciências económicas que não precisa de uma calculadora gráfica/computador atualmente? Qual é o gestor que não precisa de modelar matematicamente e analisar graficamente uma representação gráfica de uma função? Como é que isto ainda passa na cabeça de Professores de Matemática que se orgulham de formar futuros cidadãos?

Caros colegas, sejamos todos realistas. A calculadora não nos dificulta a vida como Professores de Matemática. Antes pelo contrário... Ela facilita-nos a vida ao deixar os alunos trabalharem com ideias matemáticas excessivamente abstratas (promovidas pelo atual Programa) de forma concreta e explicitamente visível aos olhos.

Não podemos criar resistência a um objeto com um enorme potencial! A calculadora gráfica é um objeto da atualidade e que faz intrinsecamente parte do mundo em que vivemos e da sociedade que habitamos. As mínimas capacidades para trabalhar com tal objeto são exigidas pelas diferentes áreas científicas e revelam-se essenciais para quem ingressa hoje em dia no mercado de trabalho.

Apesar do Programa de 2013 não ser claro em relação ao uso da calculadora em sala de aula, devemos ser críticos em relação aos objetivos gerais do sistema educativo e em relação às exigências que a sociedade faz a esse mesmo sistema. Hoje em dia, a capacidade de utilização de meios tecnológicos como instrumentos de modelação matemática e como recurso para a resolução de problemas é essencial. Não sejamos conservadores na utilização de máquina de calcular em sala de aula.