Imaginemos um mundo matemático em que existiam apenas uma forma de representação matemática... Em que o pensamento se podia escrever de uma única forma... O que seria da Matemática? E o que seria da aprendizagem Matemática dos alunos? Monótona, aborrecida, nada camaleónica. Mais... Pouco adaptável a todos os alunos, visto que só conseguiria chegar ao pensamento de alguns e não de todos.

A Matemática é uma ciência de língua universal pois está associada a várias formas de representação de ideias, raciocínios e pensamentos. O raciocínio matemático pode ser mostrado através de vários tipos de representações, indo desde da famosa escrita simbólica (e que tantos associam à Matemática), passando pelas representações verbais, visuais, contextuais, e terminado nas representações físicas.


Fonte: “Principles to Actions”, NCTM, 2014

A todas estas a Matemática tem a vantagem de se adaptar. E todas elas podem ser usadas quando se resolvem problemas. E todas elas se interligam entre si, conectando-se umas com as outras. E todas elas são suscetíveis de serem entendidas e interiorizadas pelos alunos, quer nas suas vantagens, quer nas suas desvantagens.

É vantajoso a realização de interligações entre as diferentes representações matemáticas, uma vez que os alunos aprendem a representar, discutir e a realizar conexões entre diferentes ideias e conceitos matemáticos. Só assim estes conseguem demonstrar as suas diferentes aprendizagens e melhorar as suas habilidades de resolução de problemas. Só assim a perceção dos alunos se desenvolve.

Cabe então a nós professores sermos promotores das diferentes competências representacionais dos alunos, propondo problemas que incentivem a utilização de diferentes representações matemáticas, incentivando ao uso de diferentes representações matemáticas na resolução desses problemas, estabelecendo discussões e reflexões em grande grupo sobre essas várias representações e guiando os alunos para diferentes ligações entre tipos de representações.