Por muito que digamos que não, elas existem e eventualmente surgem. E estas são bastante típicas dos Professores de Matemática. Pois então comecemos:

  1. Mania do excesso de formalidades
  2. Contra a minha pessoa falo, pois não é defeito, é feitio. Professores de Matemática associam rigor e exigência a excesso de formalidades. Por vezes, conseguimos ser excessivamente formais e demasiado complicados, quando existe uma forma simples e prática de escrever ideias matemáticas.

    Nem sempre ser formal é sinónimo de ser matematicamente elegante e inteligente. Não podemos esquecer que também se consegue comunicar por palavras e que ninguém nasce a dominar Matemática. Quem tem um grau académico em Matemática somos nós professores, não os alunos. Há que evitar que eles cheguem a nós. Deveremos nós descer ao nível deles.

  3. Mania de antecipar resultados e raciocínios. / Mania de “debitar” matemática.
  4. Não é nada agradável quando nos retiram o clímax de determinado processo de produção de algo. A melhor parte passa a ser uma normal parte quando nos retiram aquilo que nos poderá trazer gozo de realizar determinada tarefa. É como se nos oferecessem um bolo e nos retirassem a cereja do seu cimo...

    A melhor parte da Matemática é a descoberta. É o preciso momento em que de um conjunto de informações à partida desconectadas se encontra uma forma de montar o “puzzle”. O Professor deverá dar tempo e espaço para que os alunos produzirem.

  5. Mania de achar que a repetição é boa.
  6. Nem sempre repetir exaustivamente determinado processo Matemático é sinal de compreensão. Antes pelo contrário, a reprodução/cópia/memorização não ajuda ao desenvolvimento do processo de aprendizagem do aluno. Só implica um retrocesso na sua tentativa de ser bem-sucedido.

    A repetição implica aborrecimento e aborrecimento é um bom condutor da não assimilação de ideias. A aprendizagem é mais facilmente conseguida quando realizada de forma positiva, divertida e ativa. Ainda mais quando, o ambiente de desafio é uma constante.

  7. Mania de seremos demasiado sérios.
  8. O processo de ensino aprendizagem, ao contrário do que se possa pensar, não deve ser feito de uma relação distante entre alunos e professores. Por vezes, ganhamos mais depressa a admiração, atenção e empatia de um aluno promovendo uma relação mais efetiva.

    A promoção do Professor de Matemática como ser humano igual a tantos outros promove uma dimensão de verdade que se revela necessária e essencial para conquistar os alunos e, por consequência, conquistá-los para a Matemática.

  9. Mania de limitar o pensamento dos alunos
  10. Se o Professor de Matemática pensa à partida que os seus alunos não conseguem alcançar determinada conclusão é meio caminho andado para que os alunos não consigam realmente alcançar essa mesma conclusão. Por vezes, os alunos conseguem nos surpreender sem estarmos à espera. Conseguem alcançar ideias, raciocínios e estratégias que estávamos longe de imaginar.

    Há que abrir espaço e criar oportunidades a que as descobertas (mesmo aquelas que achamos mais difíceis) possam ser realizadas. E possam ser realizadas pelos próprios alunos.