A Matemática Aplicada às Ciências Sociais pode ser considerada a disciplina non grata das áreas da Matemática, mas que poderá marcar o percurso escolar dos alunos dos cursos científico-humanísticos.

Mas como...? Não é a disciplina de calcular médias, modas e medianas com uns métodos de eleição à mistura no décimo ano e do estudo de funções e probabilidades no décimo primeiro...? Não é a mesma coisa que a disciplina de Matemática A, mas mais condensada e menos profunda...?

Façamos então o seguinte exercício meus amigos.... Pensemos a que alunos esta disciplina se destina. Alunos que, em princípio, irão enveredar por carreiras ligadas às ciências sociais, em que o dom da palavra e da interpretação é crucial, em que as bases interpretativas da estatística descritiva e inferencial têm de estar bem assimiladas e compreendidas, em que mais do que conseguir lidar com conceitos matemáticos “puros e duros”, há que saber usar os meios certos para conseguir interpretar e ver mais além dos que números, em que contextualizar e criticar é essencial.

Ou seja, esta disciplina deverá servir o propósito de desenvolver nos alunos o seu poder de interpretação e a sua capacidade de comunicação. Mais do que saber, conhecer e reconhecer o método e procedimento matemático em si, é necessário saber interpretar e comunicar ideias matemáticas contextualizadas em situações concretas. Ou seja, tal como apontado no documento de 2001, esta disciplina vai mais além do dominar “questões técnicas e de pormenor, pretende-se que os estudantes tenham experiências matemáticas significativas que lhes permitam saber apreciar devidamente a importância das abordagens matemáticas nas suas futuras atividades.”

Assim, a disciplina de MACS serve em pleno os objetivos definidos atualmente no Projeto da Flexibilidade Curricular, uma vez que “tem em vista propósitos de Educação para a cidadania e o papel importante assumido pela Escola, para esse fim”.

Tendo em conta todas estas ideias, agora percebe-se o porquê do estudo dos métodos eleitorais, da matemática financeira, da teoria de grafos, da estatística descritiva e deferencial e dos modelos populacionais (e atenção não disse funções!!!).

Percebe-se que mais do que calcular médias, medianas e desvios padrão à mão, esta disciplina implica utilizar e dominar os procedimentos tecnológicos necessários para realizar esses cálculos. Deixemos o esforço mental, que seria utilizado para essas tarefas, ser usado para interpretar esses resultados tendo em conta o contexto nos quais eles se inserem.

Percebe-se que, mais do que fazer cálculos, equações e outros que tais, é uma disciplina que implica comunicação matemática no verdadeiro sentido do termo e nos seus vários estilos.

Cabe a nós professores a obrigação de cumprir com estes objetivos. Mas, muitas vezes, a tentação de fugir para a técnica é mais forte do que nós. E acabamos por ensinar Matemática quando deveríamos ensinar Matemática Aplicada às Ciências Sociais. Nunca devemos esquecer... Esta Matemática é Aplicada às Ciências Sociais e não às Ciências Exatas. Essa Matemática é para outra altura e para outros alunos.